PALAVRA DO PRESIDENTE

Sindehotéis participa de mobilização contra as reformas maléficas do governo Temer

GREVE GERAL NACIONAL – 28 de abril (sexta-feira) marcou uma grande mobilização nacional pelos direitos dos trabalhadores brasileiros e contra as reformas nefastas impostas pelo governo ilegítimo e sua bancada governista. O grito de “FORA GOVERNO GOLPISTA” e “CONTRA AS REFORMAS MALDOSAS” entoou a manifestação de repúdio das centrais sindicais e sindicatos filiados em respeito aos direitos dos trabalhadores, conquistados há anos pelo movimento sindical.

A GREVE GERAL foi organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Central Sindical Popular (CSP/Conlutas), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Força Sindical (FS), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB).

6cecc806-0d49-4d77-a611-77cc68dd9da8

Com os atos, a madrugada de sexta-feira amanheceu sem transporte público em São Luís. As centrais sindicais e sindicatos, articularam uma grande movimentação em vários pontos da cidade e manifestaram o ato de repúdio contra as reformas da previdência, trabalhista e a lei da terceirização, medidas que compõe o pacote de maldades do governo federal.

Diretores do Sindehotéis-MA gestão “Fortalecendo a Luta” também engrossaram o grito de luta em desfavor das reformas do governo. O ato iniciou na Casa do Trabalhador, localizada no retorno do Calhau, e foi até a Assembleia Legislativa do Maranhão, onde ocorreu o manifesto dos sindicalistas. Na saída de São Luís, os protestos fecharam rodovias nas proximidades da Vila Itamar e Bacanga, e no município de Bacabeira.  Vários sindicalistas estiveram presentes no ato, inclusive o presidente da Força Sindical no Maranhão Frazão Oliveira.

9457a811-f7a3-4bc6-8c53-5c06c8ec8a41

“Temos que dar a resposta a bancada e ao governo golpista, vamos mostrar que somos fortes o bastante para enfrentamento dessas medidas, nosso protesto é em defesa da classe trabalhadora e não vamos abrir mão de nenhum direito conquistado”, defendeu Ana Mendonça Silva, diretora do Sindehotéis.

“Nenhum direito a menos! Fora governo golpista! Não às reformas trabalhista e previdenciária! Não a lei da terceirização! Esse grito sai da minha garganta contra o retrocesso desse país, contra a retirada de direitos históricos, vamos nos unir e combater essa barbárie com os trabalhadores”, discursou Maria Raimunda Martins, diretora Social do Sindehotéis.

d58e78c8-49b9-4ce5-80d9-72d190fdf77e

O diretor José Benedito Castelhano Fonseca também manifestou sua indignação com o governo e suas medidas “em outro momento vimos o maior golpe parlamentar da história desse país nos últimos anos, retiraram uma mulher eleita legitimamente, agora o governo quer nos obrigar a aceitar essas reformas que massacram a classe trabalhista”, pontuou.

085448ed-c0a1-427f-a2f7-bb6e87f96626

Os trabalhadores brasileiros estão diante de um tsunami de maldade, crueldade e desonestidade imposto por um governo ilegítimo, que arrancou das mãos da sociedade o maior bem da nossa constituição brasileira – o ato democrático. É um governo opressor com a classe trabalhadora que tem um único objetivo, escravizar o trabalhador e priorizar os interesses da burguesia.

Os sindicalistas também aproveitaram o momento para falar sobre a aprovação pelo fim da CLT. A aprovação silenciosa do projeto de lei que põe um fim na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), demonstra um ato desumano e truculento da bancada governista. Vamos engrossar o grito e nos unirmos contra essas medidas maléficas que vieram prejudicar uma história de luta da classe trabalhadora.

75abccf2-fcd0-4e1c-b7a4-6f0e7eaf6482

Entre as principais mudanças no texto da reforma trabalhista está a prevalência de acordos entre o patronal e o trabalhador sobre a lei, o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, obstáculos às ações trabalhistas, a possibilidade do parcelamento de férias e a flexibilização de contratos de trabalho, um verdadeiro retrocesso.

Veja como votou a bancada maranhense:

Estes deputados votaram contra os trabalhadores

Júnior Marreca (PEN)

Victor Mendes (PSD)

Cléber Verde (PRB)

Pedro Fernandes (PTB)

André Fufuca (PP)

José Reinaldo Tavares (PSB)

Aluísio Mendes (PTN)

João Marcelo (PMDB)

Waldir Maranhão (PP)

Alberto Filho (PMDB)

Hildo Rocha (PMDB)

Juscelino Filho (DEM).

Estes deputados votaram a favor dos trabalhadores

Deoclides Macedo (PDT)

Luana Costa (PSB)

Rubens Pereira Júnior (PCdoB)

Weverton Rocha (PDT)

Eliziane Gama (PPS)

Zé Carlos (PT).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *